Pilates

 

Histórico:

 

Em 1880, na Alemanha, nasce Joseph Pilates. Criança de saúde frágil, com propensão à tuberculose, asmático, incapacitado fisicamente e desenganado pelos médicos. Porém mostrou-se dotado de uma personalidade determinada e espírito obstinado desde cedo, quando ignorou completamente seu diagnóstico de incapaz , estudou anatomia, biologia e tudo que estivesse relacionado a corpo. Trabalhou arduamente em prol de seu condicionamento físico chegando até a posar como modelo para desenhos anatômicos, aos 14 anos, aproximadamente. Era amante da cultura grega e também do Oriente, estudou Artes Marciais e Yoga. E continuou assim, tornando-se um respeitado poliesportista: era ginasta, mergulhador, esquiador, boxeador e ainda artista de circo. Em 1912, na Inglaterra tornou-se boxeador profissional e ensinou auto-defesa a detetives da Scotland Yard. Seus estudos e campos de pesquisa eram amplos, inclusive o estudo dos movimentos dos animais e o Yoga.

Por ocasião da Primeira Guerra Mundial, sendo de nacionalidade alemã, e estando lecionando na Scotland Yard, as autoridades britânicas o confinaram. Soube se valer de seu confinamento e mais uma vez mostrou sua determinação em não ser uma vítima das circunstâncias. Ensinou seus colegas de confinamento e experimentou as técnicas que estava desenvolvendo, afirmando que assim nenhum deles morreu em 1918 com a epidemia de influenza. Também atuou como enfermeiro, aplicando seus conhecimentos em pacientes ainda de cama, trabalhando e retomando o tônus muscular antes mesmo de se levantarem.

Foi então que um de seus equipamentos, conhecido hoje como reformer ou cama, surgiu. Usando molas ligadas às camas hospitalares, seus aparelhos ganharam um caráter terapêutico de reabilitação.

Retornou à Alemanha logo após a guerra e trabalhou com pioneiros das técnicas de movimento, como Rudolf von Laban. Laban praticava, aos 20 e poucos anos, o que chamariam de "dança moderna", sem nunca ter aprendido a dançar em uma escola. Realizava "experiências de dança", como ele mesmo chamava, e se preocupava unicamente com a importância do movimento e sua influência sobre a qualidade de vida. Segundo uma de suas colaboradoras, Mary Wigman, o que viria a ser sua teoria de dança, era, naquele momento, um enorme continente a ser percorrido, onde se realizavam descobertas todos os dias. Mais tarde a experiência passou para a cena, tomando ares de "arte" propriamente dita.

O mais interessante deste contexto artístico alemão é a busca pelo Oriente como inspiração. O que se chamava expressionismo alemão, e que tem em seus grandes nomes Laban e Wigman, também compartilhava deste orientalismo, de várias formas e por suas necessidades próprias e características. A Alemanha que então se apresenta era refletida nas multidões da cidade industrial, destituída de espontaneidade nos movimentos, pela fome e pela guerra. Como narra Launay (1975, p.134): "Laban se horroriza com o espetáculo dessa multidão agitada, mecânica, que se esgota no mundo das mercadorias, 'constrói seu próprio labirinto' do qual ela nem sequer mais sabe rir."

Depois destas experiências na Alemanha, Pilates vai para a América e monta um stúdio de Pilates, que na época ele denominava de Contrologia, somente após sua morte, esta técnica fica conhecida como Pilates! Os bailarinos americanos se encantam com a nova técnica, que os possibilita trabalhar o corpo com o conceito de reabilitação, já que a dança propicia um corpo sobrecarregado por lesões devido às exigências de movimentos complexos ou anti-anatômicos.

Entre os adeptos podemos citar uma das figuras mais importantes da dança, considerada a fundadora de uma técnica de dança própria: Martha Graham. Sua técnica de dança, a dança chamada moderna, trabalha os movimentos de contração e expansão, em torno de um conceito que se afina com o princípio de centro de força ou, como chamava Pilates, power house.

Recanto Flor de Lótus - 3363 4030 / 3396 2039